sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O Anjo da Guarda

O Anjo da Guarda

S.Miguel Arcanjo (4)

Muito se fala sobre os Anjos, mas muito poucas pessoas entendem realmente a importância do Anjo da Guarda na Umbanda.

Os gregos, os chamavam de DAIMONES (génios, anjos, seres sobrenaturais). Os egípcios estudaram-nos muito profundamente e em detalhe, mas a verdade é que tudo foi perdido ou queimado aquando da ascensão do cristianismo primitivo do Ocidente. Por esse motivo, hoje em dia a pouca informação que nos resta vem dos estudos cabalísticos desenvolvidos pelos judeus, que foram muito provavelmente os primeiros a acreditar nos Anjos.

Malakl é a palavra hebraica para anjo, que significa “Mensageiro”. É no Antigo Testamento que aparecem as primeiras descrições sobre os anjos. A menção mais antiga remonta há mais de 4.000 a.C. na cidade de Ur no Médio Oriente. Já os cristãos, fazem menção aos Anjos em 312 d.C., com imperador romano Constantino, que se converteu ao cristianismo após ter visto no céu uma cruz, isto um pouco antes de uma batalha muito importante. Já no ano 325 d.C., no Concílio de Nicéia, a crença nos anjos foi considerada dogma da Igreja. Depois em 343 d.C. foi determinado que reverência-los era idolatria e que os anjos hebreus nada mais eram que demónios. Em 787 d.C. no Sétimo Sínodo Ecuménico considerado dogma apenas aos arcanjos: Miguel, Uriel, Gabriel e Rafael.

São Tomás de Aquino foi um grande estudioso do assunto, dizia que os anjos são seres cujos corpos e essências, são formados de um tecido da chamada luz astral e que eles se comunicam com os homens através da egrégora, podendo assim assumir formas físicas.

A auréola que todos conhecem e que circunda a cabeça dos anjos é de influencia oriental. Nimbo (do latim nimbus), é o nome do disco ou aura parcial que emana da cabeça das divindades. No Egipto atribuíram a aura da cabeça ao deus Rá e mais tarde na Grécia ao deus Apolo. Na iconografia cristã, o nimbo ou diadema é um reflexo da glória celeste e da sua origem ou lar, o céu. As asas e os halos apareceram depois no século I. As asas representam a rapidez com que os anjos se movem.

No Novo Testamento, os Anjos apareceram nos momentos mais marcantes da vida de Jesus: nascimento, pregações, martírio e “ressurreição”. Depois da ascensão, Jesus foi colocado junto ao Anjo Metatron. Alguns estudos revelam-nos mesmo, a possibilidade dos três Reis Magos serem Anjos materializados. Melchior (Rei da Luz), Baltazar (Rei do Ouro, guardião do tesouro, do incenso e da paz profunda) e Gaspar (o etíope, que entregou a mirra contra a corrupção).

A tradição católica dividiu os anjos em três grandes hierarquias, subdivididas cada uma em três grupos: Serafins, que personificam a caridade divina; Querubins, que refletem a sabedoria divina; Tronos, que proclamam a grandeza divina.

Dominações, que têm o governo geral do universo; Potências, que protegem as leis do mundo físico e mora; Virtudes, que promovem prodígios.

Principados, responsáveis pelos reinos, estados e países; Arcanjos, responsáveis pela transmissão de mensagens importantes; Anjos, que cuidam da segurança dos indivíduos.”

Na Umbanda o Anjo da Guarda não é considerado um Guia ou Orixá, é um Espírito Celestial, iluminado, de essência pura e de energia poderosíssima. Pertence à dimensão celestial, dimensão esta de grande pureza e de grande actuação em todas as outras dimensões subsequentes. Portanto, a essência e a energia dos Anjos atingem a todos independente de religião, doutrina ou crença.

Para os médiuns, os Anjos da Guarda são tão importantes quanto os próprios Orixás e Entidades, pois são eles que os protegem no momento da incorporação ou desincorporação. Momento esse que acontece em segundos de desacoplamento do corpo astral e que, por um mínimo descuido, podem sofrer um ataque do baixo astral com a entrada de seres inferiores na corrente mediúnica do médium.

Saiba que quando o Orixá/Entidade está incorporado no médium, o Anjo da Guarda fica ao lado, no entanto, no momento da desincorporação ou incorporação o Anjo da Guarda se aproxima mais activamente ajudando a manter o equilíbrio do médium.

Vale salientar que a resistência no momento da desincorporação é altamente prejudicial para o próprio médium que, logicamente, perde essa protecção celestial.

É comum inclusive, quando o médium ainda fica num subtil estado de transe após a desincorporação, colocarmos a mão sobre o coração do médium e dizer “fulano, seu anjo da guarda te chama!”, movimento esse que ajuda o médium no processo de desincorporação tranquilizando-o rapidamente. Além disso, os Anjos auxiliam no equilíbrio essencial do médium e os mantêm envolvidos por uma energia pura e divina.

Os Anjos da Guarda protegem- nos e acompanham-nos no dia a dia, por isso é aconselhável manter sempre acesa uma vela branca ao lado de um copo de água e em local alto para fazer nossas orações.

Sabia que o Arcanjo Miguel é um dos patronos da Umbanda?

Um dos primeiros e mais eminentes dos espíritos celestiais, considerado o Príncipe dos Anjos. Luta contra espíritos malignos e professa, acima de tudo, a doutrina de que só o bem e a caridade são a salvação. A Igreja o considera um ARCANJO por representar um “anjo principal”, é comemorado pela Igreja Católica em 29 de setembro.

Seu nome significa: “Quem é como Deus?” É o chefe dos anjos rebeldes, luta em defesa de Deus. É um espírito guerreiro, arauto de Deus, Príncipe e Chefe dos exércitos celestiais. É o patrono da Igreja Católica e dos agonizantes, “o guia das almas dos defuntos para o céu”.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Ponto de chamada dos Caboclos

Ponto de chamada dos Caboclos:

 

Oxalá chamou!

Oxalá chamou!

E já mandou buscar,

Os Caboclos da Jurema,

Oi lá no Juremá. (bis)

Meu Pai Oxalá!

Ele é o Rei do Mundo inteiro,

E já deu ordens pra Jurema,

Mandar seus capangueiros.

Mandai! Mandai!

Mandai! Mandai!

Minha Cabocla Jurema,

Os seus guerreiros,

Essa é a ordem suprema. (bis)

 

Oxalá chamou!

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Três peneiras.

Três peneiras.

Logo na primeira semana de trabalho o funcionário diz ao Patrão:

-  Patrão, o senhor nem imagina o que me contaram a respeito do Sousa. Disseram que ele…

- Espere um pouco. O que me vai contar já passou pelo crivo das três peneiras?

- Peneiras? Que peneiras Patrão?

- A PRIMEIRA PENEIRA é a da VERDADE.

- Tem certeza de que esse facto é absolutamente verdadeiro?

- Não. Não tenho. Como posso saber? apenas sei o que me contaram. Mas acho que…

- Então a sua história já vazou a primeira peneira.

- Vamos então para a SEGUNDA PENEIRA que é a da BONDADE. O que vai contar, gostaria que os outros também o dissessem de si?

- Claro que não! Deus me livre Patrão!

- Então a sua história vazou a segunda peneira.

- Vamos a TERCEIRA PENEIRA que é a da NECESSIDADE. Você acha mesmo necessário contar-me esse facto ou mesmo passa-lo a outras pessoas?

- Não Patrão. Passando pelo crivo dessas peneiras, vi que não sobrou nada do que eu iria contar.

- Pois é. Já pensou como as pessoas seriam mais felizes se usassem essas três Peneiras?

Todas as vezes que surgirem boatos devemos submete-los ao Crivo das Três Peneiras : VERDADE, BONDADE, NECESSIDADE, porque:

Pessoas inteligentes falam sobre ideias

Pessoas comuns falam sobre coisas.

Pessoas medíocres falam sobre pessoas.

Autor: (Desconhecido)